Equipamentos Culturais
Casa de Cultura Ivan Marrocos

Casa de Cultura Ivan Marrocos

Essa Casa nasceu de reivindicações constantes dos artistas plásticos, que por não terem espaços dignos para mostrarem suas obras o faziam de inadequadamente nos mais variados espaços que Porto Velho oferecia. Com a realização das primeiras edições do Salão de Artes Plásticas de Rondônia – SART, também realizado em locais não condizentes com a importância do evento, o Governo sensibilizou-se com a causa e ordenou à Secretaria de Obras que elaborasse o projeto. Assim foi delegada a referida responsabilidade para o arquiteto Heitor. Em linhas modernas, o prédio foi concebido para atender as exposições de artes plásticas. Assim, o projeto foi executado no local onde anteriormente encontrava-se edificada a Vila Erse (casas conjugadas onde moravam trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira Mamoré).

Foi criado então o Espaço Cultural de Artes Plásticas através do Dec. 6565 de 04 de novembro de 1994. No dia 30 de dezembro do mesmo ano, através do Dec. 6652, passou a chamar-se Espaço Cultural de Artes Plásticas Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim. Através da Lei 626 de 23 de outubro de 1995, passou a chamar-se Casa da Cultura Ivan Marrocos, em homenagem ao jornalista homônimo, morto naquele ano. A partir daí mudou não somente o nome, mas principalmente o seu raio de atuação. Anteriormente dedicada apenas às artes plásticas, passou a atuar no grande e complexo universo cultural. Em dezembro 13.148 de 14 de setembro de 2007, a galeria (térreo) anteriormente chamada de Madeira mamoré passou a chamar-se de Galeria de Artes Visuais Afonso Ligório No decorrer de sua Existência a Casa da Cultura vem se consolidando como um referencial da Arte e da Cultura em Rondônia, Apoiando a produção e difusão cultural, dando suporte às atividades de extensão cultural e estabelecendo Intercâmbio com Instituições congêneres, visando sempre o desenvolvimento cultural.